EDIÇÃO DIGITAL

 

 

 

Aumento de internações deixa Santa Casa de Jahu sem leitos para Covid-19.

Hospital busca viabilizar reabertura de ala especial para tratamento da doença.

Somente últimos 16 dias, número de pacientes internados sob cuidados Covid, cresceu 1.900%

 

A Santa Casa de Jahu encontra-se, nesse momento, sem leitos para cuidados contra a Covid-19. O hospital busca viabilizar junto ao poder público a reabertura de ala especial para tratamento da doença, porém dependerá também da disponibilidade de profissionais de saúde para trabalhar no setor. Nesse momento, caso seja necessário, haverá envio de pacientes Covid através da CROSS (Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde) da Secretaria Estadual de Saúde.

 

A Santa Casa chegou a registrar ocupação zero nos leitos Covid-19 em 12 de novembro do ano passado, mas o cenário começou a mudar no início de 2022. Para efeito de comparação, em 3 de janeiro deste ano, havia 3 pacientes internados no hospital em decorrência da Covid, já dia 19 de janeiro o número subiu para 57, um aumento de 1.900%.

 

“É importante lembrar que no hospital há internações em decorrência de outras doenças que não a Covid. Pessoas acidentadas, pessoas que passaram por cirurgia, etc. Por isso, esse aumento de leitos ocupados por Covid nos preocupa bastante”, completa o Provedor da Santa Casa de Jahu, Alcides Bernardi Junior.

 

Segundo o infectologista da Santa Casa de Jahu, Dr. Daniel Oliveira “Há uma barreira pela vacina de evitar que esses casos evoluam para quadros graves, mas aumento de casos, aumento do número de pacientes em pronto atendimento e pronto-socorro, isso com certeza vai acontecer e nós ainda estamos na curva ascendente, não estamos na estabilidade.”

 

Por isso é necessário que as medidas sanitárias contra a doença sejam mantidas e ampliadas, como uso de máscara, álcool em gel, higienização das mãos, ciclo vacinal completo e evitar aglomerações.

 

“Hoje não falta nenhum insumo aqui na Santa Casa, mas não gostaríamos de viver novamente um cenário de aumento de preços e escassez de alguns medicamentos como vivemos em 2021” finaliza a Gerente Administrativa do hospital, Scila Carretero.